Folhas de Chá

  “Deixa as folhas assentar. Permite na chávena o Outono.” – disse de mim para mim. Vi-me a rodar no encantamento amarelo do chá. Se continuasse recolheria as folhas e os seus fragmentos, faria um pequeno monte, viveria além. Mas não podia. Não eram meus nem as folhas nem o arbusto, muito menos a terra, o ar e o sol, tão pouco o chá. Dali em diante contentar-me-ia com o perfume da lúcia-lima e a evocação de uma alegria original. Afastar-me da chávena quente custou-me o Inverno das mãos. Bebia-o, porém, nos sonhos e ...

Ler Mais

Poema repetido para Kierkegaard

  O banho fez o dia. A manhã nasceu depois de se lavar. Tudo o resto automatizou-se Na engrenagem das peças E fez-se um. Lavar é o secretariado da prontidão, haja ou não no ar o espírito de melancia da relva cortada. (Os palpos da aranha deixam de fazer sentido nos cantos.) Desejar a água é a natureza das plantas E repeti-lo é saber contar os dias (são ciclos e ciclos.) O tempo deixa ver-se na mudança dos corpos entre as estacas da partitura (imagem terrível a de uma flor a ...

Ler Mais

Onde se amontoa o milho

  Eu guardo o teu segredo e tu guardas o meu. Escapulo-me do rebuliço, (vou ao teu encontro) afasto as canas com uma mão (vou ao teu encontro) e com a outra, o cabelo do milho com um braço (tenho um novelo quente no tórax) e com o outro (uma alegria pulsa no pássaro dentro do ovo). Os meus passos, velozes (o movimento ascendente dos joelhos) indiferentes ao burburinho da relva (a consternação que diz não escuto), ao arranhão com que as silvas sempre surpreendem (detenho-me um pouco na dor). E afirmo-te: Se ...

Ler Mais

As Ondas

  Continuo ao pé do mar, Os meus olhos no ir e no voltar mas desta vez na expectativa de que o mar viesse molhar viesse molhar-me os pés (eu ali sentada na areia molhada) e de repente fosse (ele) como um cão a lamber as pontas dos dedos e nesse contacto acendesse toda a rede eléctrica da sensibilidade e todo o corpo fosse ressuscitado pela ternura do animal e a seguir passasse a ver-lhe os olhos (sempre os teve e eu não os via, que morta andava). Mas não foi ...

Ler Mais

Intimidade

  A intimidade é uma espécie de vapor de água entre silhuetas. Tem tacto fino, Toca ao de leve o nome, di-lo muitas vezes, baixinho, guarda-o. A intimidade fecha os olhos e sente. Abre os olhos e colhe frutos. (É um limoeiro a que se estende um braço. Uma mão arranca.) Nem sempre os come. (Há cestos cheios de maçãs, pêras, laranjas à sombra. Esperam.) As oliveiras que se contorcem ao longo de um eixo longitudinal são santuário de intimidade. Abrigam-na as voltas, a repetição, a cronologia que se conhece E aquele ...

Ler Mais

Impasse nas rosas

  E assim foram... De pétala em pétala em pétala em pétala em pétala em pétala. Havia muitas direcções em cada flor. O vento agitava as saias, Levantava-as, baixava-as, Levantava-as outra vez. As cores eram agradáveis Rosa velho, rosa pálido Como num quadro japonês, De forma que, por vezes, se esqueciam do que ali faziam e por que ali estavam (Para onde íam!). Os cabelos fustigavam e tinham a ilusão de se mover, mas embalavam-se (e quase adormeciam) enquanto sobrevoavam as orelhas das rosas, naqueles labirintos de tons pastel E davam por si em comparações impossíveis com ...

Ler Mais

Salvação (Salvia officinalis)

  Sento-me contigo à mesa, À mesa possível. É uma mesa corrida (não, não é). Com bancos corridos (talvez), Onde se sentam e de onde se levantam Estranhos. Eu também sou estrangeira. E não tenho onde reclinar a cabeça. O meu leito faz-se no andar E a minha almofada é o ver. Não tarda chegará o alimento, que é a luz do entardecer. Sob o seu prisma me aquietarei, Enrolada, larvar E esperarei o adormecer debaixo de pálpebras quentes e o acordar a salvo.   Abigail Ribeiro 19 de fevereiro ...

Ler Mais

A Natureza do Vento

  Naquele ano levantou-se um vento diferente dos outros ventos. Como, de outra forma, se explica Os estores esvoaçantes, As suas barras metálicas a bater, insistentes, nas paredes, As janelas escancaradas no Centro de Saúde, Os corredores de vento no emprego? O vento invadia todos os espaços. Vinha de fora e tomava com dedos de espectro Todos os prédios e as casas outrora impenetráveis. Só os quintais e as quintas não estranharam. Os seus habitantes já caminhavam com a queimadura do vento ...

Ler Mais